no ,

Governo Lula: exército aceitou aumentar presença de civis no GSI

GSI teve 26 militares exonerados nessa quarta-feira, 26, pelo ministro interino do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Ricardo Cappelli. Civis devem ocupar maioria dos cargos.

Governo Lula: exercito aceitou aumentar civis no GSI
Governo Lula: exercito aceitou aumentar civis no GSI

O GSI é o responsável pela segurança dentro do Palácio do Planalto e estava infestada de militares bolsonaristas durante a tentativa golpista no 8 de janeiro contra o governo Lula. Foi o que comprovaram as imagens das câmeras de segurança de dentro do Palácio do Planalto no dia da insurreição golpista.

O fato, seguindo pela revelação de que Gonsalves Dias, chefe do GSI nomeado pelo próprio Lula (PT), estava entre os golpistas durante a invasão, destruíram a confiança do presidente no órgão de segurança.

Diante da situação, Lula indicou que faria mudanças no GSI, no sentido de diminuir a presença de militares e em contrapartida, aumentar a de civis.

Agora, depois de G. Dias deixar a chefia do GSI e mesmo após a clara demonstração da incompetência dos militares de serem responsáveis pela inteligência e até mesmo execução qualquer tipo de plano de segurança, a alta cúpula do exército ainda defende que o órgão siga sob o comando de um militar.

Além disso, os militares ainda reivindicam que o GSI retome as suas a atribuições originais.

A saber, o GSI era responsável pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e pela segurança pessoal do presidente e do vice-presidente da República.

Responsabilidades que foram retiradas do GSI, no contexto de crise de confiança entre o governo eleito e os militares.

A Abin passou a responder à Casa Civil.

Enquanto a segurança pessoal do presidente Lula ficou sobre a responsabilidade da Polícia Federal (PF).

GSI esvaziou após mudanças feitas pelo presidente Lula

De acordo com a avaliação dos militares, o GSI foi esvaziado após essas alterações nas atribuições das funções que o presidente Lula promoveu.

Entre os militares que compactuam com essa visão estão:

– O general Marcos Antônio Amaro, principal nome para substituir Gonçalves Dias,

– O comandante do Exército, Tomás Paiva

– O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

Segundo o governo, foi o próprio G. Dias que pediu demissão após o vazamento os vídeos onde ele aparece entre os golpistas dentro do Palácio do Planalto, como dissemos anteriormente.

Antes de viajar para Portugal, Lula esteve com p general Amaro e revelou que gostaria que ele ficasse a frente do GSI.

Entretanto, o presidente ainda avalia qual será a estrutura do GSI, para posteriormente decidir como realmente ficará o órgão.

Gabinete de Segurança Institucional civil ou militar?

Com efeitos, a própria base aliada do governo Lula diverge sobre quem deve ficar à frente do GSI.

Enquanto uns defendem que a chefia continue sobre a tutela dos militares, outros defendem que fique com um civil.

Aliás, existem também os que defendem a extinção do órgão.

Contudo, de acordo com alguns ministros do governo, a Lula deve manter o comando do GSI com um militar.

Para mais notícias sobre o governo Lula, clique aqui.