no , , , ,

Enem 2023: questão pode ser ANULADA. Entenda a POLÊMICA!

Questão do Enem 2023 envolvendo o agronegócio deixou irritado parlamentares da extrema direita. Veja se questão pode ser anulada!

Enem 2023: questao pode ser ANULADA. Entenda a POLEMICA!
Enem 2023: questao pode ser ANULADA. Entenda a POLEMICA!

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2023 teve início no último domingo, dia 05, onde os estudantes foram submetidos a 90 questões de múltipla escolha, além da redação, contudo, uma questão que causou bastante polêmica pode vir a ser anulada.

A questão fazia uma abordagem critica a “lógica do Agronegócio” no Cerrado, tratando de forma negativa a “propriedade privada”. De acordo com a questão, “o modelo capitalista subordina homens e mulheres à lógica do mercado”.

Portanto, a seguir vamos entender melhor essa situação que pode levar a questão do Enem a ser anulada.

Polêmica no 1º dia pode fazer questão do Enem 2023 ser anulada

A polêmica que pode levar a anulação da questão 89 da prova do Enem 2023, envolve a prática do agronegócio no Serrado brasileiro.

De acordo com o gabarito extraoficial que teve divulgação de alguns veículos de comunicação, a resposta certa para a questão será a letra A.

Segundo a resposta correta, o agronegócio, “faz um cerco aos camponeses, inviabilizando a manutenção para a vida”

Obviamente que os representantes do agronegócio não gostaram nem um pouco da questão e polêmica se instaurou.

O portal Poder360 entrou em contato com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que é atua em parceria com o MEC (Ministério da Educação), responsável pelo Enem e solicitou um posicionamento do Governo Federal sobre a questão.

Contudo, até o momento dessa publicação, o Inep ainda não havia se manifestado sobre a polêmica questão.

Agronegócio no Brasil

Negar a participação do agronegócio na economia do país seria algo leviano. Porém, é impossível ignorar os males e prejuízos ao meio ambiente e a saúde não só das pessoas,  provocados pelas práticas criminosas dessa indústria do veneno, do desmatamento e da exploração do trabalho.

Em relação à economia, de acordo com números do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o agronegócio pode representar mais de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, a depender do trimestre.

A saber, no ano de 2022, o agronegócio teve uma participação de 6,81% no total do PIB.

Além disso, o agronegócio é responsável por uma fatia relevante das exportações brasileiras e no saldo da balança comercial.

Entre os meses de janeiro e outubro, o setor faturou US$ 70,3 bilhões ao exterior, um aumento de 7,2% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Ou seja, esse valor representa a 24,9% de toda a exportação brasileira.

Demais manifestações

Obviamente que os inúteis parlamentares da extrema direita fascistoide, bancados pelo agrotóxico, partiram para cima do governo e do Enem.

Parlamentares desmoralizados nacionalmente, como o bolsonarista deputado federal Zucco (Republicanos-RS), disse que: “prova incita ódio ao agronegócio”.

E como se não bastasse, garantiu que vai apresentar um pedido de convocação dos ministros da Agricultura, Carlos Fávaro e Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira.

Pois bem, Zucco deveria se preocupar com o ódio contra o agronegócio, provocado pelo próprio agronegócio.

A saber, muitas lavouras do agronegócio que estão repletas de casos de exploração de trabalho escravo, inclusive no seu próprio estado.

Aparentemente a exploração do trabalho escravo pelas lavouras de uva do Rio Grande do Sul, seu estado, não incomoda o parlamentar bolsonarista. Mas as questões do Enem, sim.

Outro parlamentar bolsonarista indiferente a exploração do trabalho escravo pelos barões do agronegócio, mas que ficou magoadinho com a prova do Enem foi o deputado Rodolfo Nogueira (PL-MS), outro bancado pelos barões escravistas do agronegócio.

Segundo afirmou o deputado, a prova do Enem ataca de maneira covarde “o setor que põe comida no prato do brasileiro”.

O tal deputado só esqueceu de mencionar que quase 70% da produção do agronegócio é de soja e tem como destino, a alimentação de gado e não do provo brasileiro.

Quem é responsável pela produção de milhões de toneladas de alimentos, diga-se de passagem, sem agrotóxico e que chega aos pratos de milhões de brasileiros e brasileiras todos os dias é o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e a agricultura familiar.

A bem dizer, o MST é o maior produtor de arroz orgânico da América Latina.

Por fim, para saber sobre a prova do Enem, clique aqui.