no , ,

Bolsonaro ataca adversários com medo de ser esquecido

Desmoralizado, o que resta ao ex-presidente Bolsonaro é atacar seus adversários, como sempre fez, a fim de evitar que seu nome seja esquecido

Bolsonaro ataca adversarios com medo de ser esquecido
Bolsonaro ataca adversarios com medo de ser esquecido

Após 3 meses foragido nos Estados Unidos, o ex presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou ao Brasil e apesar de andar meio escondido, fora dos holofotes, continua fazendo o que sabe fazer melhor, ataca seus adversários.

Na sexta-feira, 21, durante uma live, Bolsonaro, aparentemente sem ter nada de útil para fazer, alegou que seus adversários querem levá-lo ao esquecimento..

Como se isso fosse possível!

Por acaso, o povo alemão tem alguma pretensão de esquecer o que foi o nazismo?

Da mesma, o Brasil não pode e nem deve quer que Bolsonaro seja esquecido.

Até porque, o Bolsonarismo, sua herança maldita, permanecerá forte, aparentemente, durante muito tempo.

Participaram da live junto com o ex-presidente Imbrochável, a deputada federal Amália Barros e do deputado estadual Gilberto Cattani, ambos do PL-MT.

De acordo com Bolsonaro, o Brasil “voltará ao seu eixo normal” porque seus adversários serão “expurgos”.

Com medo de ser esquecido, Bolsonaro ataca oposição

Os parlamentares do PL participavam de um evento promovido pelo Movimento Conservador na cidade de Lucas do Rio Verde.

O Imbrochável, elogiou a atuação dos seus “amigos” de partido e disse sonha em voltar ao poder.

“É muito importante a gente não deixar o que plantamos nos últimos quatro anos esquecido. Parabéns ao Cattani, a Amália, a vocês que votaram neles. Um país rico. Tentam que eu seja esquecido por parte da política brasileira. Temos muita esperança que o Brasil brevemente voltará ao seu eixo normal com o expurgo daquelas pessoas que nunca nada fizeram pela nossa pátria”, discursou Bolsonaro.

A saber, Bolsonaro tinha sim, um plano para se perpetuar no poder, nem que para isso fosse necessário dar um golpe de estado, como todos presenciamos e estamos acompanhando o desenrolar dos fatos, com Minuta do Golpe e tudo mais.

Como viu seu plano fracassar, fugiu do Brasil antes mesmo do fim do seu mandato, com medo de ser preso e só retornou 3 meses depois.

Porém, o motivo da volta, como muitos veículos de comunicação vem reportando, não foi para cumprir agenda política.

O plano de poder do Fujão Imbrochável

A agenda política, num país como o Brasil, meus amigos(a), nunca para e obviamente que não parou durante os meses que o Fujão se refugiava na Disneylândia com dinheiro público.

Bolsonaro voltou no final de março por conta da intimação da Policia Federal (PF). De acordo com fontes de dentro da PF, caso Bolsonaro não voltasse até o início de abril, o órgão iria expedir uma intimação para ele depor sobre os atentos do 8 de janeiro.

Caso a PF enviasse a intimação e ele estivesse fora do país, Bolsonaro corria o risco de voltar preso dos Estados Unidos. Ou seja, a única opção que restou foi o Fujão voltar, um dia antes do prazo da PF.

Covarde como sempre, Bolsonaro alegou que o motivo de demora para voltar ao Brasil, foi porque estava esperando uma promoção no preço da passagem. Simplesmente incrível!

De qualquer forma, o que resta, por enquanto, a Bolsonaro, é fazer um pouco de barulho para o seu agora, pequeno, mas barulhento rebanho.

Visto que Bolsonaro responde a 16 inqueritos somente no Superior Tribunal Eleitoral e já é visto como certo, inclusive entre seus pares, é que o principal líder da extrema direita do Brasil vai ficar inelegível.

Isso impediria Bolsonaro de ocupar qualquer cargo público por oito anos.

Por fim, para mais notícias sobre o ex presidente Bolsonaro e sua família, clique aqui.